“As ações de salvaguarda realizadas resultaram na organização de mais de 200 pacotilhas contendo uma grande variedade de espécies documentais”: Entrevista com Joaquim Tavares da Conceição

Entrevistamos Joaquim Tavares da Conceição, Professor Titular da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Coordenador do Centro de Pesquisa, Documentação e Memória do Colégio de Aplicação na mesma universidade, o CEMDAP. Inaugurado no ano de 2016, o Centro tem como objetivo principal preservar a documentação de valor histórico do Colégio de Aplicação da UFS, o CODAP, que foi fundado no ano de 1959 e está em atividade até os dias de hoje.

(ARCHIVOZ) Prezado Professor, a implantação do CEMDAP é resultado do projeto Constituição de acervo documental do Colégio de Aplicação: Organização de documentação escolar permanente, desenvolvido entre 2013 e 2015 ( com apoio da FAPITEC/SE/CNPq/ PIBICJr e PIBIC/COPES/UFS). Quais foram os principais desafios durante a implantação?

(Joaquim Tavares da Conceição) As dificuldades estão relacionadas com a identificação de locais de guarda dos documentos como também com a organização do material tendo em vista uma escassa mão-de-obra. De outro modo, enfrentamos o desafio em assegurar um espaço específico para o funcionamento do Cemdap no prédio escolar, além das dificuldades com o tratamento de conservação do material identificado.

(ARCHIVOZ)  O Colégio de Aplicação (CODAP) completou 60 anos em 2019, é uma das instituições mais importantes de ensino fundamental e médio do Estado de Sergipe. O CEMDAP tem cumprido o objetivo de disseminar os saberes e fazeres do Colégio através da organização e divulgação do acervo histórico e da sua memória. Quais os principais exemplos o Professor poderia citar nesse sentido?

(JT) Os documentos históricos e os objetos da cultura material do Colégio de Aplicação, reunidos no Cemdap, tem permitido o levantamento de questionamentos e a produção de compreensões a respeito das funções, atividades, sujeitos da ação educativa, dentre outros aspectos da história e da cultura escolar da instituição. Nesse sentido, podem ser citadas dissertações de mestrado defendidas no ano de 2016 no Programa de Pós-Graduação em Educação, na linha História da Educação, a saber: “A Educação Física e o Colégio de Aplicação da UFS: Um olhar para sua organização curricular a partir da sua trajetória histórica” e “Flagrando a Vida”: Trajetória de Lígia Pina. Professora, literata e acadêmica (1925-2014)”. Além disso, encontram-se em andamento pesquisas em nível de iniciação científica, mestrado e doutorado que estão relacionadas a divulgação do patrimônio histórico educativo do Colégio de Aplicação.

Igualmente, o acervo custodiado no Cemdap tem permitido a realização de atividades pedagógicas e fornecido subsídios históricos para diferentes atividades institucionais do Colégio de Aplicação. Nesse sentido, no ano de 2019, quando o colégio completou 60 anos de existência, o Cemdap divulgou o patrimônio histórico educativo do colégio através da realização de uma exposição comemorativa, realizada no hall da Biblioteca Central do Campus da Universidade Federal de Sergipe.

(ARCHIVOZ) No início de suas atividades, o CODAP era um colégio particular, vinculado à Faculdade Católica de Aracaju, destinado à prática docente dos alunos. Posteriormente, passou a pertencer a Universidade Federal de Sergipe (1968) como escola pública, e desde 1995 ocupa edifício próprio dentro da universidade. No que se refere à documentação resgatada, as séries organizadas refletem essas mudanças? Ainda há material para ser resgatado sobre a história do CODAP?

(JT) O acervo do Cemdap conta com diferentes gêneros de documentos históricos do Colégio de Aplicação custodiados no Centro de Pesquisa, Documentação e Memória do Colégio de Aplicação (Cemdap). Esses documentos apresentam informações desde a fundação do estabelecimento em 1959, passando por diferentes fases da história como a incorporação à Universidade Federal de Sergipe em 1968. Informam sobre diferentes  atividades  e funções exercidas pelo colégio e por seus agentes da ação educativa. Assim, levando em consideração a longa trajetória do Colégio de Aplicação, a massa documental tem um conteúdo bastante significativo para a compreensão da trajetória da instituição e de diversos agentes que fizeram parte de sua história. Assim, sobressai na documentação informações sobre o espaço escolar, ações dos agentes educativos (professores, funcionários, alunos), formas de ingresso, norma escolar, exames de admissão, fundação do Ginásio de Aplicação, dentre outros temas.

As ações de salvaguarda realizadas resultaram na organização de mais de 200 pacotilhas contendo uma grande variedade de espécies documentais. Esse corpus documental reunido é formado, dentre outros, por livros manuscritos, projetos pedagógicos, legislação e regimento escolar, cadernos de memórias, anais de encontros, fotografias diversas, plantas arquitetônicas e outros tipos documentais oriundos de diversas ações e/ou atividades escolares.

Em geral, a massa documental é formada por documentos originais, apresenta uma diversidade de formatos e técnicas (livros, cadernos, folhas avulsas ou encadernadas) e tem como suporte papel e papel emulsionado (fotografias). Quanto as características internas, a documentação é bastante fragmentada e registra um período que se inicia no ano de 1959, ano da fundação do Ginásio de Aplicação, até os anos de 1980.

No Cemdap, além da documentação permanente (histórico) existe um acervo de cultura material escolar e de referências bibliográficas, documentação oral e audiovisual, resultantes de levantamentos de projetos de pesquisa e novos documentos históricos remetidos ao acervo. Na relação de objetos da cultura material do Cemdap existem, principalmente, troféus, bandeiras e placas comemorativas e/ou de homenagens.

O acervo documental do Cemdap é formado em sua grande parte pelos dossiês de estudantes, iniciando no ano de 1960, ano da primeira turma do antigo Ginásio de Aplicação.

(ARCHIVOZ) Professor, em algum momento do projeto vocês realizaram campanha/ações (com antigos alunos e professores), para doação de material sobre o Colégio? Como se deu o contato e convite aos egressos para composição do acervo de história oral? Gostaria que o Sr. falasse sobre essa experiências (50 entrevistas realizadas).

(JT) Durante a realização dos convites para participação de dois projetos de história oral intitulados  1) “Composição de banco de histórias do Colégio de Aplicação (UFS). Combater silêncios e esquecimentos e preservar a memória institucional e 2) “Percepções da realidade. Memórias de estudantes egressos do Colégio de Aplicação (1960-1995)”, foram realizadas consultas em relação a disponibilidade de acervo pessoal do entrevistado que pudesse ser doado ou até mesmo digitalizado e liberado para a consulta no CEMDAP. Através dessa ação ocorreu uma significativa quantidade de material doado para o acervo de CEMDAP.

Antes e depois da gravação, o entrevistado/a visitava o prédio do CODAP para conhecer o Centro de Pesquisa, Documentação e Memória do Colégio de Aplicação (CEMDAP).  Também foi realizado o registro fotográfico do trabalho de coleta das entrevistas e das visitas ao CEMDAP.

Por meio de investigação documental foi possível produzir informações a respeito de colaboradores/narradores; além de informações para produzir os roteiros básicos das entrevistas. Desta forma, com o desenvolvimento de pesquisa exploratória identificamos estudantes egressos e ex-professores do Colégio de Aplicação, potenciais entrevistados.

A partir da obtenção dos contatos dos entrevistados foram realizados os convites para o projeto. Foi necessário destacar o principal objetivo da pesquisa além de salientar a importância de participarem de um projeto sobre a preservação da memória institucional.

(ARCHIVOZ) Em relação ao trabalho arquivístico realizado no CEMDAP, quais foram os materiais de apoio utilizados na montagem do acervo? E quais foram os contatos realizados com esse objetivo (técnicos, teóricos)?

(JT) Como os projetos só tiveram financiamento através de bolsas de iniciação científica, os materiais utilizados para a preservação e organização da documentação foram disponibilizados pela própria Universidade. Esses materiais foram, sobretudo, caixas-arquivo, além de armários para o acondicionamento da documentação.

Também contamos com os materiais de proteção pessoal (mascaras e luvas descartáveis). Contamos também com a parceria e/ou informações de setores técnicos da UFS e a fundamentação teórica de estudos em torno do patrimônio histórico educativo advindos da área da História da Educação e dos fundamentos de estudos da Arquivologia.

(ARCHIVOZ) O trabalho “História do Ginásio de Aplicação nas memórias de professores e estudantes egressos (1959-1968)” da aluna Rafaela Cravo de Melo, realizado com base no acervo do CEMDAP, recebeu um prêmio no ano de 2020,”. Este trabalho é parte integrante de um projeto maior, iniciado em 2008? Quais outros resultados deste trabalho (Dissertação de mestrado de Martha Suzana Cabral Nunes-2008).

(JT) A discente Rafaela Cravo de Melo (bolsista IC Pibic/CNPq), do Curso de História, 5º Prêmio Destaque na Grande Área Ciências Humanas, área de conhecimento Educação, desenvolve atividades de iniciação científica no Centro de Pesquisa Documentação e Memória do Colégio de Aplicação (Cemdap/Codap), sob a minha orientação.

O trabalho premiado, intitulado “Perfil discente do Ginásio de Aplicação da Faculdade Católica de Filosofia de Sergipe (1959-1968)” é parte integrante do projeto “História do Ginásio de Aplicação nas memórias de professores e estudantes egressos (1959-1968)”, desenvolvido no Centro de Pesquisa, Documentação e Memória do Colégio de Aplicação (Cemdap), por mim coordenado. Essa pesquisa teve como objetivo a produção de uma compreensão historiográfica a respeito do perfil discente do Ginásio de Aplicação da Faculdade Católica de Filosofia de Sergipe, – atualmente Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Sergipe –, no período de 1959 a 1968.

As atividades do projeto foram desenvolvidas no Cemdap e foram utilizados como fonte principal os dossiês dos estudantes do período. Foram coletadas informações em 440 dossiês, consubstanciando-se em uma quantidade de 6.209 folhas avulsas. Os dossiês de estudantes fazem parte da documentação histórica do Arquivo do Colégio de Aplicação, sob a custódia do Cemdap.

Considero um importante reconhecimento para evidenciar o trabalho de preservação do patrimônio histórico educativo que desenvolvemos no Centro de Pesquisa, Documentação e Memória do Codap e a contribuição para o desenvolvimento de pesquisas e formação estudantes de diferentes níveis de formação.

(ARCHIVOZ): Prezado Professor, agradecemos muito a sua entrevista.

Imagem cedida pelo entrevistado.

 

Puedes dejar un comentario

%d bloggers like this: