“A cidadania, em nosso entendimento, inclui o direito à memória”: Entrevista com Aldair Rodrigues, Diretor Adjunto do Arquivo Edgard Leuenroth

Entrevista com o Professor Dr. Aldair Rodrigues, Diretor Adjunto do Arquivo Edgard Leuenroth (AEL) da Universidade Estadual de Campinas/SP (UNICAMP), sobre o apoio do IBERARQUIVOS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento dos Arquivos Ibero-Americanos) para realização do Projeto: “Existimos! Contra o silêncio e o esquecimento – pela preservação e difusão dos conjuntos documentais do AEL”.

(ARCHIVOZ): Prezado Professor Aldair, é um prazer entrevistá-lo. Antes de falarmos sobre o Projeto Existimos, gostaríamos que nos apresentasse o AEL, suas características e principais objetivos.

(Aldair Rodrigues): Fundado em 1974, a partir da aquisição do conjunto documental reunido por Edgard Leuenroth (1881-1968) – pensador anarquista, militante das causas operárias, linotipista, arquivista e jornalista por ofício e paixão – hoje o AEL constitui um dos maiores acervos sobre movimentos sociais do Brasil. São 120 conjuntos documentais organizados em 2.900 metros lineares. Desse universo, 60 mil itens são fotografias. A partir de 2013, o arquivo passou por um intenso processo de digitalização, com a criação do AEL Digit@l[i], o que lhe rendeu aproximadamente 60 TB (sessenta terabytes) em arquivos de imagens.

O acervo físico é constituído por 13 mil títulos de periódicos; 25 mil livros; 12 mil rolos de microfilmes; 60 mil fotografias; 7.000 folhetos; 2.200 cartazes; 1.086 discos; 1.140 postais; 1.442 fitas de áudio em cassete; 322 fitas de áudio em rolo, 873 fitas de vídeo; 624 partituras; 312 películas cinematográficas; 284 mapas; 39 plantas. Esse material permite uma ampla compreensão da formação do movimento operário e sindical no país. Aborda a repressão e resistência à ditadura militar, o processo de reabertura política, os movimentos artísticos diversos, como o Teatro Oficina, os movimentos sociais em geral e ainda os movimentos sociais recentes, a partir da década de 1980, com os fundos LGBT+[ii].

(ARCHIVOZ) Os conjuntos documentais da temática LGBT+ que compõe o acervo do AEL preservam a memória da luta da população LGBT+ do Brasil contra a discriminação, pela dignidade, direitos e cidadania em geral. Trata-se de um dos maiores acervos deste gênero no país. Quais foram os primeiros conjuntos de documentos desta temática que chegaram ao AEL e quando isso aconteceu?

(A.R) De forma sintética, podemos afirmar que preservamos documentos da primeira fase do movimento LGBT+, que começa nos anos 1970, ainda durante a ditadura militar, quando a agenda hegemônica das reivindicações era a luta pela redemocratização. Inclui aqui a coleção completa do jornal “Lampião da Esquina”, publicado entre 1978 e 1981, e a documentação dos primeiros eventos que reuniram os grupos militantes em congressos, seminários e assembleias em geral. Foi na primeira metade da década de 1980 que se deu uma grande efervescência do movimento homossexual, que sofreu um duro golpe com a eclosão da AIDS no país. A luta contra a doença acabou se refletindo na reorganização do movimento. Nesta conjuntura, a militância cresce sobretudo por meio da sua institucionalização e formalidade, que foi formatada tanto por ONGs como por meio de iniciativas que visavam concorrer a editais e políticas dos órgãos criados pelo Ministério da Justiça e da Saúde, em contraste com o final dos anos 1970, quando predominava a horizontalidade e a não institucionalização. A partir da década de 1990 as pautas de reivindicações ficam menos reféns da luta contra a AIDS, diversificam-se mais e novos sujeitos ganham protagonismo na luta. Podemos destacar a presença crescente das pessoas transexuais e transgêneros e o destaque às dinâmicas tangentes à identidade, mostrando uma inflexão no movimento no que toca à importância da subjetividade na construção das identidades, tanto em sua dimensão individual como coletiva. É nesse contexto que surge em Campinas o Grupo Identidade, o mais importante e longevo no interior de São Paulo.

(ARCHIVOZ) Quais as coleções integram a temática LGBT+ do AEL e quais as suas características ?

(A.R) São 8 (oito) conjuntos documentais que integram essa temática: Grupo Somos; Triângulo Rosa; João Mascarenhas; Turma OK; Outra Coisa; Paulo Ottoni; GALF; Grupo Gay da Bahia; MOLECA; Grupo Identidade de Campinas. O material começou a chegar ao AEL na segunda metade da década de 1980 e esse processo se intensificou na década de 1990.

Segundo Elaine Zannata, em artigo no Cadernos AEL, podemos resumir esta trajetória: “Em meados de 1985, iniciaram-se os convites para as doações e o recolhimento dos acervos do movimento homossexual, por iniciativa do professor Marco Aurélio Garcia, na época diretor docente do Arquivo Edgard Leuenroth.  A notícia de que diversos grupos do movimento homossexual estariam dispostos a encaminhar, como doação, a papelada reunida durante os anos de militância veio ao encontro dos interesses do AEL, que possuía, como um de seus temas principais, os movimentos sociais. Entre esta data e o início dos anos de 1990, foram doadas diversas e valiosas coleções documentais de grupos de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, trazidos ao AEL por militantes ou por seus familiares. Foi cedida por Agildo Bezerra Guimarães uma raríssima coleção de jornais editados no Rio de Janeiro, nos anos 60 e 70, além de alguma documentação do “Turma OK”. A documentação do grupo “Somos” veio através de antigos militantes. Em 1988, chega parte da documentação do “Outra Coisa”, pelas mãos de Antônio Carlos Tosta; no final de 1990, através da família de José Bonacha Melgar, chega o restante da documentação deste mesmo grupo, e a eles foram reunidas uma pequena documentação do “Ação Lésbico-Feminista”. Pelos cuidados do Professor Luiz Carlos Mott, foi doada a documentação impressa do “Grupo Gay da Bahia”, bibliografias e textos importantes para o estudo do tema e, ainda, uma valiosa carta-compromisso, datada de 29 de maio de 1989, quase um testamento, afirmando que sua documentação pessoal seguirá para este Arquivo assim que ele julgar oportuno. Em 1989, por atenção de João Antônio de Souza Mascarenhas, chega ao AEL a documentação do grupo “Triângulo Rosa”, do Rio de Janeiro e, nos anos seguintes, a coleção documental do professor Paulo Roberto Otton.”. [iii]

(ARCHIVOZ) No ano de 2019 o AEL solicitou apoio do IBERARQUIVOS para realização do Projeto: “Existimos! Contra o silêncio e esquecimento – pela preservação e difusão dos conjuntos documentais do AEL”. Quais os pressupostos e principais objetivos deste projeto que se enquadra na categoria “Promoção da não-discriminação”.

(A.R.): Acreditamos que as políticas de preservação e difusão da memória das lutas contra a discriminação e das lutas por direitos tem papel fundamental para a consolidação e expansão da cidadania LGBT+. O reconhecimento institucional do protagonismo histórico dessa população impacta a construção de identidade, pertencimento e, principalmente, a consciência de que são potentes enquanto cidadãs e cidadãos, pois os poucos direitos que possuem atualmente foram conquistados e não dados. Por fim, considerando que uma das principais formas de opressão da população LGBT+ é a sua invisibilidade, o seu silenciamento, o projeto visa justamente dar visibilidade às suas lutas e às suas experiências históricas.

(ARCHIVOZ) No que se refere ao grupo LGBT+ mais antigo de Campinas, o Grupo Identidade, como se deu o seu surgimento, sendo que é originário do Grupo Expressão? A informação que consta é que o seu Estatuto foi registrado em cartório no dia 19 de maio de 1998, e a partir daí o Identidade passou a existir oficialmente.

(A.R) O nome oficial do Grupo é “Identidade – Grupo de Luta pela Diversidade Sexual”. Criado em 1998 como dissidência do Expressão (1995), o Grupo Identidade é considerado o grupo ativista LGBT mais longevo de Campinas, em atividade. Em sua primeira fase o Grupo Identidade caracterizou-se pela luta contra a discriminação e o preconceito por orientação sexual e identidade de gênero. Já a segunda fase foi marcada pela execução de projetos e pela atuação na organização da Parada LGBT local (a partir de 2003), o que permitiu ao seus integrantes manter o funcionamento da entidade. Dentre os projetos, destacamos neste período: “DST/AIDS” e o “Cidadania na Pista”. Outro foco importante da ação do Grupo nesta fase foi a luta por políticas públicas locais e, sobretudo, a participação no Orçamento Participativo (OP) do município. A terceira fase veio posteriormente, com a mudança do nome do grupo: de “Grupo de Ação pela Cidadania Homossexual” para “Grupo de Ação pela Cidadania de Lésbicas, Gays, Travestis, Transexuais e Bissexuais”. Os ativistas acreditavam que o termo “homossexual” não abarcava todos os militantes e que as identidades políticas deveriam estar definidas no nome do próprio grupo. A quarta fase caracterizou-se pela intenção do Identidade em se manter, a partir de algumas parcerias com o Estado, nos debates das teorias pós-identitárias, ao questionar a fixidez das identidades. Essa perspectiva se tornou cada vez mais presente com o processo de radicalização do grupo, impactando inclusive o modo como se auto denominava. O grupo assistiu, com o passar dos anos, uma redução da oferta, por parte do Estado, dos recursos para ONGs, o que obrigou os integrantes a repensar sua atuação. Porém, o Identidade continuou a agir pelas vias institucionais, a saber: processar agressores e estabelecimentos homofóbicos por meio das leis: Lei Municipal 9809/1998 e a Lei Estadual 10948/2001. A formalização da doação da documentação do Grupo Identidade ao AEL aconteceu em 15 de maio de 2015, mas o material foi trazido para a Unicamp no ano de 2012, como medida de salvaguarda, após a sede do grupo ter sofrido um ataque homofóbico.

(ARCHIVOZ) Quais os instrumentos de pesquisa produzidos neste Projeto e quais os meios de divulgação (inclusive publicação on-line)?

(A.R.): O fundo Identidade ganhará um Inventário, instrumento de pesquisa que descreve meticulosamente o seu acervo e ficará disponível nos formatos on-line e impresso. O Inventário composto a partir de um Quadro de Arranjo e organizado conforme a ISAD(G) – Norma Internacional de Descrição Arquivística, 1994 – permite a identificação, localização e consulta aos documentos de forma rápida e efetiva no atendimento as questões pesquisadas. Divulgar o acervo através do seu Inventário também fortalece a relação entre Memória e Direitos Humanos, bem como parcerias junto aos movimentos sociais.

(ARCHIVOZ) Quais são os principais tipos de documentos que compõem o acervo do Grupo Identidade e qual o seu estado de conservação? Se existem relatos orais preservados com integrantes do Grupo, de que forma esses relatos serão divulgados para o público? Qual a data-limite da documentação?

(A.R.) A documentação abrange uma grande variedade de formatos e foi produzida entre 1998 e 2005, sendo inicialmente 5 pastas de grande formato com periódicos, cartazes e documentação textual, 33 caixas arquivo de documentação textual, 2 caixas arquivo com objetos tridimensionais, 4 caixas arquivo com fotografias e documentos audiovisuais. Durante o processo de descrição do fundo e inventariação do acervo estão sendo realizadas entrevistas com os produtores dos documentos e com pessoas que conviveram com os ativistas. Os depoimentos além de contribuírem para a identificação e contextualização do acervo, tem como objetivo ampliar a sua dimensão e, desta forma, registrar os significados dos materiais aqui acumulados para quem os produziu.

Além de sinalizar para instituições congêneres a importância da preservação e difusão de acervos formados a partir do protagonismo de grupos marginalizados, deixamos as portas abertas Click To Tweet
(ARCHIVOZ)  Especificamente tratando-se dos conjuntos documentais LGBT do AEL, o Arquivo realizou parcerias para difusão deste material (caso da exposição “Histórias da Sexualidade e do “Cadernos AEL 18/19” sobre o movimento LGBT. Qual o resultado destas iniciativas?

(A.R.) Muito relevante. Além de sinalizar para instituições congêneres a importância da preservação e difusão de acervos formados a partir do protagonismo de grupos marginalizados, deixamos as portas abertas para o estabelecimento de parcerias que amplifiquem o impacto de políticas de promoção dos direitos humanos e combate à discriminação por meio da formação de parcerias e de uma rede de memória engajada nesse mesmo projeto. A exposição oferece uma amostra da potencialidade de acervos LGBT+ e os desafios para a ampliação do acesso aos fundos.

(ARCHIVOZ) Além do tratamento arquivístico da documentação do Grupo Identidade e sua disponibilização aos pesquisadores, será realizado um Seminário sobre a Memória do Movimento LGBT no Brasil. Quais os resultados são esperados para a comunidade de pesquisadores envolvidos, no contexto da luta contra a discriminação, em prol cidadania e dignidade do movimento?

(A.R) O principal objetivo do Seminário é divulgar para a sociedade em geral, particularmente a comunidade LGBT+ de Campinas, e pesquisadores acadêmicos a potencialidade dos acervos do AEL e sublinhar para a comunidade arquivística a importância de se preservar a memória das cidadãs e cidadãos LGBT+. Dentre os palestrantes, há ativistas históricos do Grupo Identidade, cuja presença é fundamental para os diálogos e articulações entre o arquivo e a sociedade de Campinas, onde está inserido. A institucionalização da memória do Grupo é uma forma de reconhecer a sua dignidade e promover a história das suas lutas e suas pautas para as novas gerações de jovens pesquisadores, e  também para os cidadãos em geral. A cidadania, em nosso entendimento, inclui o direito à memória.

(ARCHIVOZ) Gostaríamos de agradecer ao Professor pela entrevista. Aproveitamos a oportunidade para lembrar aos interessados que o acesso ao AEL é público e gratuito. Caso os documentos solicitados estejam recolhidos para procedimentos de conservação, o usuário será informado na ocasião. Fundos e coleções ainda não inventariados e que se encontram na reserva técnica aguardando processamento técnico arquivístico também poderão ser consultados, mediante agendamento prévio[iv].

(A.R) Estamos à disposição e agradecidos pela oportunidade.

Crédito Fotográfico: Luciane Oliveira.


[i] https://www.ael.ifch.unicamp.br/ael-digital

[ii] LGBT+ = É a sigla de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros e outras denominações que foram surgindo com ampliação do movimento LGB, que teve início na década de 1980.

[iii] (Cadernos AEL, n. 5/6, 1996/1997, pp. 214-215. https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2458/1868).

[iv] https://www.ael.ifch.unicamp.br/contato

One thought on ““A cidadania, em nosso entendimento, inclui o direito à memória”: Entrevista com Aldair Rodrigues, Diretor Adjunto do Arquivo Edgard Leuenroth

Comments are closed.

%d bloggers like this: