A colonialidade dos arquivos holandeses: o que pode ser feito e em que termos?

Em 2017, os Arquivos Nacionais da Holanda realizaram uma conferência, ‘Rethinking the VOC’, destacando a nova pesquisa, agora tornada possível, que todo o arquivo da VOC (Dutch East India Company) foi digitalizado. A conferência terminou com uma mesa redonda sobre a descolonização dos arquivos holandeses da qual participei. Em 2019, escrevi um artigo para a Revisão Histórica dos Países Baixos resumindo essa mesa redonda. Salientei que muito do debate na Holanda até agora sobre a descolonização se concentrou em museus, e não em arquivos. Esse é provavelmente o caso porque muito mais está sendo feito no setor de museus, como, por exemplo, as ‘Palavras importam’ do Centro de Pesquisa para Cultura de Materiais; a prática desviante do Museu Van Abbe, Queering the Collection e por que estou aqui? Programas; a decisão do Museu de Amsterdão de se abster de usar o termo “idade de ouro” para se referir ao século XVII; e o museu anteriormente conhecido como Witte de With (em homenagem a um oficial naval colonial do século XVII) que mudou recentemente de nome.

Neste sentido, examinarei mais detalhadamente os arquivos holandeses e a descolonização, com foco nas instituições estatais.

No meu artigo anterior, usei o termo não colonial ao invés de descolonização, e ainda defendo esse termo quando visto da perspetiva dos arquivos estatais (holandeses), já que a ideia de descolonização originada de instituições estatais parece no máximo elevada. Ao escrever este ensaio, pensei no ponto de Michel-Rolph Trouillot de que “o foco no Passado muitas vezes nos desvia das injustiças presentes para as quais as gerações anteriores apenas estabeleceram as bases” (Silencing the Past, p. 150). Pensar em termos de descolonização está a nos dirigir muito para o passado, deixando instituições como os Arquivos Nacionais da Holanda se concentrarem em arquivos coloniais como os da Companhia Holandesa das Índias Orientais, ao invés de nosso (colonial) presente e futuro? É mais importante para um arquivo agir de maneiras não coloniais e não racistas e focar nas comunidades que existem hoje por meio de novas formas de divulgação e desenvolvimento de coleções? Ou a descolonização aponta para a colonialidade que existe na sociedade contemporânea? Se a descolonização se manifesta apenas em projetos curtos, como a digitalização de uma coleção colonial ou repatriação, então temo que seja apenas a primeira. Esses projetos tentam expiar os pecados do passado em vez de resolver os pecados de hoje.

Veja, por exemplo, o caso do arquivo devolvido do Suriname. Registos da colônia holandesa do Suriname foram enviados para a Holanda durante o período colonial para guarda. Após a transferência da soberania para a República do Suriname, os registos passaram a ser legalmente propriedade da nova república, mas foi somente em 2017 que estes, tendo sido digitalizados pela primeira vez, foram devolvidos ao Arquivo Nacional do Suriname. A digitalização e a disponibilidade online foram condições para sua devolução, estabelecidas pelos Arquivos Nacionais da Holanda, apesar de reconhecer o Suriname como o proprietário legal. A escolha de digitalizar e tornar acessíveis os arquivos coloniais foi feita pelo ex-colonizador e não foi necessariamente a vontade do Arquivo Nacional do Suriname. Foi uma colonização prolongada ou uma tentativa de fazer um arquivo mais inclusivo na Holanda? Descolonização ou pensamento neocolonial do alto escalão do governo holandês?

Também nos últimos anos, uma mudança ocorreu nos Arquivos Nacionais da Holanda. Após um processo de vários anos, o pesquisador Harry Poeze adicionou descrições individuais no inventário do arquivo do NEFIS (Serviço de Inteligência das Forças Holandesas), a mais de 4.000 documentos que foram ‘apreendidos, encontrados ou roubados’ da Indonésia durante a guerra de independência de 1945- 1949. No entanto, sendo este o Arquivo Nacional da Holanda, as descrições de registos roubados ainda estão em solo holandês, para uma coleção que é predominantemente em indonésio.

E fora dos Arquivos Nacionais? Que trabalho está sendo feito para mudar o panorama arquivístico na Holanda? Um dos exemplos mais conhecidos na Holanda é o Black Archives de Amsterdão, fundado em 2016. Por meio de suas exposições, pesquisas e divulgação, o Black Archives atua como um espaço comunitário que também regista e aborda a experiência negra histórica e contemporânea na Holanda.

Mas esses projetos não precisam existir apenas fora da infraestrutura de arquivamento. Arquivos como o do Instituto Internacional de História Social começaram a perceber que antigas descrições estão repletas de colonialidade e estão tentando escrever novas com premissas de inclusividade. Enquanto isso, Verloren Banden (fitas perdidas) era um projeto que trouxe uma coleção de fitas de vídeo criadas pela comunidade molucana na cidade de Vaassen para o Gelders Archief (o arquivo da província de Gelderland). Essas fitas foram feitas na década de 1970 por membros da comunidade.

Bibliografía

Trouillot, Michel-Rolph (1995). Silencing the past : power and the production of history. Boston, Mass.: Beacon Press.

%d bloggers like this: